terça-feira, 15 de setembro de 2009

AFRICA: O NOVO EL DORADO


Em tempos de crise, economias africanas tornam-se o novo El Dorado para certos países, onde se destaca Portugal, que passam a ter como grande meta aumentar as suas exportações para cá de produtos e “investidores”.

Nós, com o nosso velho complexo de colonizados aceitamos estes “investidores” sem questionar o seu “backgronud” conferindo-lhes estatuto de Homens de Negócio. Claro que existem pessoas serias mas temos de estar atentos.

Muitos deles vêm para cá, destratam as nossas gentes, cometem mil infracções e irregularidades e ninguém lhes questiona. Quem tem estado a averiguar se as empresas que se instalam no país com o estatuto de “investimento externo”, que gozam de um rol de vantagens fiscais e aduaneiras, têm de facto cumprido as suas obrigações e se estão de facto a gerar emprego no país, para cabo-verdianos, atendendo as quotas estabelecidas por lei?

O que tenho visto é um bando de senhores reles, que se instalam aqui, tornam-se arrogantes, passam a frequentar meios que nos seus países só vêm pelos jornais, e acreditam que o dinheiro fácil que vão ganhando por cá lhes permite comprar tudo, inclusive o carácter das pessoas.

Tenho orgulho do meu país, tenho orgulho de saber que posso encher a boca e dizer que aqui as leis e as instituições funcionam, com todas as nossas limitações. Por favor fiscalizem e punam infractores. O país agradece.

Não aguento mais ver estrangeiros a dominar o meu povo, em sua própria terra, como se estivéssemos numa fase de segundas núpcias com o colonialismo. DIRECÇÃO E INSPECÇÃO GERAL DO TRABALHO…. AO ATAQUE. Por favor, estabeleçam ordem em todos os empreendimentos que surgem no país e tenham mão pesadíssima na hora de aplicar multas. O que eles levam daqui não tem preço.

2 comentários:

Pura eu disse...

A questão é de facto preocupante... mas o que dizer (ou melhor, como agir?) se temos sectores do Governo seriamente mamcomunados com algumas dessas empresas?!!!

MF

Anónimo disse...

"(...)tenho orgulho de saber que posso encher a boca e dizer que aqui as leis e as instituições funcionam," Funcionam, mesmo?