sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

CASO CI: UM DESABAFO



Mais um caso, mais um descaso!

No nosso país, a corrupção não se faz com grandes desfalques mas sim através do famoso tráfico de influência. As pessoas usam os seus cargos, as suas amizades e seus contactos e preparam a sua caminha para quando o tacho secar.

Como é possível que alguém que tenha ocupado o cargo de Presidente do Conselho de Administração da Cabo Verde Investimentos, um cargo onde se tem acesso a informações estratégicas de interesse dos grandes investidores, ao sair dessa instituição, ingresse, IMEDIATAMENTE, a Cape Verd Development, uma empresa com grandes projectos para Cabo Verde????????????????????????????????????????????????????????????????????

O descaramento com que estas coisas acontecem é vergonhoso. E agora, um dos Administradores Executivos da nova CI, vem exactamente dessa mesma empresa, o que certamente irá permitir à CV developmente manter os seus canais previlegidos acesso a informações estratégicas. É vergonhoso.

Eu peço aos nossos governantes se pretendem realmente vender o país que me avisem pois, não pretendo ser apanhada de surpresa ao meio da noite com alguém à porta a dizer que agora é o novo proprietário da minha terra.

É vergonhoso a forma como o país vem sendo vendido. Eu quero sim progresso e desenvolvimento mas não a qualquer custo. Quem paga somos nós que aos poucos somos escorraçados das nossas praias, a nossa gente é explorada nos grandes hotéis, e somos descriminados dentro do nosso próprio país. Eu amo a minha terra e quero ter a chance de poder continuar aqui e sentir que isto me pertence. Será pedir muito?

Os denunciados deverão, por uma questão de honra, provar a sua inocência e não, vir aos meios de comunicação dizer que são meras acusações. Que se investigue, que se apresente conclusões à nação, que se peça desculpas aos inocentes e que se punam os culpados.

Esse sistema quase feudalista que impera em Cabo Verde precisa acabar e essa camaradagem, que deixa muita gente sem graça de ter mão de ferro, dependendo dos réus também.

Isso me lembra uma frase de uma música brasileira que diz que “ERRAR NÃO É HUMANO, DEPENDE DE QUEM ERRA!” Este é o lema?

3 comentários:

Amílcar Tavares disse...

Olá.

Fiquei com uma dúvida após ler o seu post. Então devíamos ter uma lei para manter o homem no desemprego?

Se ele já não serve para a CI há servir para outra empresa que queira contar com os seus serviços, não é?

Cumprimentos.

Nhu Naxu disse...

Não é nada disso Amilcar...convenhamos que é muito mau um "regulador" sair da instituição reguladora para ir trabalhar para uma das empresas que antes regulava...como é que ficará as outras empresas concorrentes?

DE OLHO NA CIDADE disse...

Caro Amilcar está na lei, que pessoas que ocupem determinados cargos publicos, ao terminarem os seus mandatos têm de ter um subsidio do governo, e por um periodo se não estou em erro, de 6 meses, não podem exercer funções em empresas privadas correlaciondas com a sua função anterior. O que ele fez é crime e o pior é que ninguem faz valer a lei. Estamos na Republica das BANANAS!